Você está ouvindo: "Al Green - For The Good Times (espere até 20 seg - música toca automaticamente)"

PAPIROS DE ALEXANDRIA - UOL Blog --

ALFREDO! ALFREDO!

Hoje, um grande homem foi embora. Na realidade, eu acho que ele voltou pra casa. Um homem que só devia ser do espaço, mesmo, ou de algum outro lugar que, certamente, não é este aqui. Um plano onde é possível compreender as coisas por óticas diferentes, porque todas elas são observadas pela visão do amor.

Philippe Noiret embalou a infância e juventude de muitas pessoas neste mundo. Conhecido por nós como "Alfredo", personagem ranzinza do filme "Cinema Paradiso", Noiret nos mostrou a delicadeza que existe nas pessoas que conseguem alcançar a definição de serem "humanas", em algum ponto de suas existências. Faz a gente pensar tanto em como tudo deveria ser tão simples neste mundo, que quase dá vontade da gente anotar os seus ensinamentos no caderno.

Pra que a gente nunca mais possa esquecer o que deveríamos fazer por aqui.

O céu está ficando cada dia mais rico.....

ALFREDO! ALFREDO!



Escrito por Luciano às 21:23:16
[] [envie esta mensagem]



Eu sou um homem sincero. De onde crescem as palmeiras.
E antes que a morte me leve, quero que os versos me saiam da alma.
Eu sou de toda a parte e eu vou para toda a parte. Estou nas artes, em meio às montanhas. Eu sou a montanha.
Tudo é belo e constante, tudo é música e razão. E tudo, feito o diamante, antes de ser luz, é carvão.
Com os pobres do mundo eu quero ter o meu destino, um pequeno riacho na montanha me agrada mais que o mar.
Eu quero, quando eu morrer, sem pátria, porém, sem dono, ter na minha lápide um buquê de flores e uma bandeira.
Eu cultivo uma rosa branca em julho, como em janeiro, para um amigo sincero que oferece sua mão honesta.
E para o cruel que me arranca o coração que me mantém vivo, eu não cultivo espinhos.
Eu cultivo a rosa branca.
(do filme "Cidade Perdida").


Escrito por Luciano às 20:26:30
[] [envie esta mensagem]



I.N.T.R.U.S.O.
 
 
Há um limite para todas as coisas. Um limite para amar, para repudiar todo e qualquer sentimento, para as brigas e revoluções internas e externas. Há um momento de dizer que ama e também de apresentar-se ao silêncio.
Um momento para não se dizer nada.
Existe uma tênue marca que nos separa dos acontecimentos dessa vida. Uma sorte, por exemplo (eu diria), é o fato de permanecermos vivos, se observados todas os riscos que corremos. Penso nisso de um modo tão assustador que praticamente não me esqueço de que posso não estar por aqui a qualquer momento. Não nasci pela sorte, mas é por sorte que assim permaneço.
Que faço aqui tentando construir qualquer pensamento? Elaborar alguma explicação para a minha permanência entre as pessoas?
Quem é capaz de viver consigo mesmo, sem ter que se revoltar com a possibilidade de não estar por aqui a qualquer instante? Estou aqui, por ora, mas até quando? Até quando eu permanecerei intacto? Até quando poderei ser salvo?
O que nos difere dos que já se foram? O que temos, aqui, guardado para nós? Trata-se de quê, afinal? Ora bolas...


Escrito por Luciano às 20:45:10
[] [envie esta mensagem]



Distanciamento

Alguma coisa aconteceu. Algo se transformou. Sinto que não pertenço mais a este lugar, que este espaço já não faz parte da minha história. Estas ruas, estas praças, estas pessoas que vêm e vão... tudo... Eu desconheço e me desligo cada vez mais.

Estou acima de qualquer desaprovação, de todo o mal que queira personificar-se apenas para destruir os meus sonhos. Sim, eu estou bem longe, esparramado pelo ar, envolto em minha própria determinação.
 
Eu sei, está chegando a hora de partir. Estou iniciando a minha jornada.


Escrito por Luciano às 11:39:00
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Centro-Oeste, CAMPO GRANDE, CENTRO, Homem, de 26 a 35 anos, English, French, Cinema e vídeo, Música
MSN - lucianodeaguiar@hotmail.com



BREVE RESUMO 

LUCIANO VIEIRA - Escritor, Mestre em Literatura e Estudos Culturais, Especialista em Ciências da Linguagem/Estudos Literários. Jornalista e Produtor Cultural. Produzindo textos desde 1994, há 9 anos possui o "PAPIROS".

 

Histórico
01/07/2015 a 31/07/2015
01/09/2013 a 30/09/2013
01/07/2013 a 31/07/2013
01/05/2013 a 31/05/2013
01/12/2012 a 31/12/2012
01/08/2011 a 31/08/2011
01/05/2011 a 31/05/2011
01/03/2011 a 31/03/2011
01/06/2010 a 30/06/2010
01/05/2010 a 31/05/2010
01/04/2010 a 30/04/2010
01/03/2010 a 31/03/2010
01/02/2010 a 28/02/2010
01/01/2010 a 31/01/2010
01/11/2009 a 30/11/2009
01/09/2009 a 30/09/2009
01/08/2009 a 31/08/2009
01/06/2009 a 30/06/2009
01/05/2009 a 31/05/2009
01/04/2009 a 30/04/2009
01/02/2009 a 28/02/2009
01/01/2009 a 31/01/2009
01/12/2008 a 31/12/2008
01/11/2008 a 30/11/2008
01/10/2008 a 31/10/2008
01/09/2008 a 30/09/2008
01/08/2008 a 31/08/2008
01/06/2008 a 30/06/2008
01/05/2008 a 31/05/2008
01/04/2008 a 30/04/2008
01/03/2008 a 31/03/2008
01/01/2008 a 31/01/2008
01/12/2007 a 31/12/2007
01/10/2007 a 31/10/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/08/2007 a 31/08/2007
01/07/2007 a 31/07/2007
01/06/2007 a 30/06/2007
01/05/2007 a 31/05/2007
01/04/2007 a 30/04/2007
01/03/2007 a 31/03/2007
01/02/2007 a 28/02/2007
01/11/2006 a 30/11/2006
01/10/2006 a 31/10/2006
01/09/2006 a 30/09/2006
01/08/2006 a 31/08/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/06/2006 a 30/06/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/03/2006 a 31/03/2006
01/02/2006 a 28/02/2006


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
Para Ler a Vida
- O Pequeno Milagre
- Blog da Mulher Diferente
- Pensamentos, Devaneios e Fotos
- Maça Envenenada
- Resposta em Branco
- Poesias, músicas, poemas, crônicas, contos...
- De Ponta Cabeça
Enfim Blogamos


BLOG DO GALVÃO Free Image Hosting at www.ImageShack.us
Clique na imagem para mais detalhes